Aqui

Imagino que a tenho, que a exerça, imagino que a sinta. Ou, preciso acreditar que não a perderei. Ela, a tão necessária lucidez.
Emmy Della-Porther

Desabafo XVIII - Ensaio da Amizade

ERY*
 meu pai aos 21 anos



Ensaio da amizade

Para nos conhecer é necessário ver-nos em um amigo. O amigo é nosso outro eu. Há amigos cujas almas se misturam e se confundem tanto com as nossas, e tanto que quando nos damos conta não conseguimos encontrar mais a costura que as juntou. A amizade é virtude ou implica em virtude, disse Montaigne. Por vezes certos amigos nos estendem tanto a sua amizade que desafia a moderação, transcende o amor de tal forma que nos parece que esse amor sempre esteve conosco. É tamanha a fusão que por vezes, carregam, facilmente consigo nossas dores, nossos sentimentos de tristeza, nossos temores. E de repente nada mais é seu ou meu. Vontades se misturam, toques se reúnem, não há mais distinções. Laços diversos atam-nos para sempre. E a amizade torna-se união perfeita, sem fissuras, sem brechas, sustentáveis por si só. A amizade é mesmo um mistério. Como pensar que é possível uma ligação assim, perfeita e completa, quando vivemos num mundo transitório e passageiro, um mundo de movimento e finitude? Cabe nesse mundo coincidência tão absoluta de uma identificação tão plena? Cabe. Misteriosamente cabe. Posto que a amizade seja o mais belo lugar e meio. A amizade é uma aliança, uma sociedade que fazemos pura e simplesmente por escolha e vontade própria, onde não rivalizamos, não dispersamos. Buscamos o prazer pelo significativo prazer de ser e ter amigos. A semelhança da afinidade, convivência forte das coisas, identidade abençoada pelo Cosmos. Tornamo-nos o princípio e o gênero de todas as espécies quando buscamos o amigo, nosso parente espiritual. O consolidamos como vínculo de sangue. E damos qualidade e forma a esse convívio intenso e marcado para sempre em nossas vidas. Queremos o amigo por ele mesmo, por ele ser quem é e o que é.
Assim é o amor e a amizade que me une a meu pai. Porque procedendo dele sou o seu outro, o outro ele mesmo. Só por isso pude descobrir quem eu era no dia que perdi meu pai. Ao vê-lo, sem vida entendi quem eu era. Aquele momento foi de mudança e movimento. Percebi a multiplicidade tênue e inconstante da própria vida, no meu espaço e no meu tempo. Percebi a existência a que desejava para mim. Meu pai, ali, naquele instante era o espelho onde me identifiquei. Nítido me fez acordar de um tempo em que me mantive adormecida. Um tempo que não sei contar porque fora muito tempo. E senti cruelmente o momento - esse que me deparei privada do amigo mais caro e mais íntimo. Aquele do laço consanguíneo, aquele da costura sem emendas, transcendente, sem fissuras e brechas, o amigo perfeito e completo. Esse amigo que olhei para nele reconhecer-me. Alcancei minha solda fraterna. Clarificados tornaram-se dali por diante meus conflitos, meus laços, minhas experiências. Minha imagem agora se sustentava, sustenta-se, de tal forma que a leveza vive a me rondar, posto que, saber-se torna tudo tão mais original, compreensível e sólido, tal qual a solidez de ter sido forjada dentro do corpo forte de meu pai. O medo perde a importância, a obediência tem outro valor, o redor que temporariamente me pareceu estranho, retorna familiarmente em seu momento original. A cidade que naqueles dias era tão fria e distante, tão cinza, reencontra-se comigo trazendo uma infinita paz com seus coloridos e seus ruídos de amanhecer. Perdi a ingenuidade e me sinto melhor. Entendi que a vida não precisa ser entendida, precisa ser apreciada e aceita. Entretanto, ao perceber quem sou a inquietude terminou; aprendi o que é separação, vida; aprendi que preciso aprender a viver e, sobretudo a morrer. Porque agora sei para onde se encaminha o meu conhecimento, os meus desejos, o meu mistério. Assim tornei-me diferente para ser exatamente como me sinto, dentro de mim: igual. Tornei-me mais tolerante, mais generosa, cuidadosa com a razão e a emoção. Vivo um dia por vez, um dia a cada dia, conhecendo o elemento singular do que é viver existencialmente. Hoje, exatamente, dedico boa parte dos meus dias a escrever, para consagrar também a lembrança, a lembrança de um mútuo amor, um amor amigo, em nome desse laço que me aponta a verdade e a vontade determinada, que me aponta uma incrível força. Força que me transporta para além de tudo que eu possa dizer e ser.

Para Papai, com amor,

della-porther

 __

*Edson Bastos Barretto

3 comentários:

daniel sant'iago disse...

"Porque procedendo dele sou o seu outro, o outro ele mesmo."
Pois é!
Beijo.

A.S. disse...

"Ao ve-lo, sem vida entendi quem eu era. Aquele momento foi de mudança e movimento. Percebi a multiplicidade tênue e inconstante da própria vida, no meu espaço e no meu tempo."

Sem mais palavras, deixo-te um beijo...

Vicente disse...

lindo ,dellita-môre-mustafá!
só a sua poesia traduzida em sentimento e ser

um beijo!