Aqui

Imagino que a tenho, que a exerça, imagino que a sinta. Ou, preciso acreditar que não a perderei. Ela, a tão necessária lucidez.
Emmy Della-Porther

O Lume das Noites Traiçoeiras


Aquieto-me num canto a não ouvir nem um só ruído
Esta noite toda ela sem luto, sem o mastro da vela
É correnteza e partida em ruínas num só olhar distante
Será a noite, a noite morta a eternidade
O lume das noites traiçoeiras.
Desmaterializado o cenário do mundo, suas estruturas formais
Não há mais a permanência marginalizada dos intrusos.

Expulso todo o aleatório do ninho, alucinada toda a lucidez
Caráter passivo e ativo do presente e do futuro, esse nunca houve.
Profanada a experiência do atemporal, nos trilhos envelhecidos
Será a noite, a noite morta a eternidade
O lume das noites traiçoeiras.
Tudo a tornar-se sem sentido, sem movimento, sem excitação
Exilado a toque está poética e profeticamente fenecido o amor.

O desejo à abismar-se no eterno ir e vir do isolamento
Pretende o suicídio do sempre igual e indizível medo
Tormento que prolifera no meio do caos
A natureza contínua no viés adiantado dos anos passados,
Será a noite, a noite morta a eternidade
O lume das noites traiçoeiras.
Gênese esvaziada do sobrenatural findo amor.

Enquanto o mundo reproduz sua música obscuramente medíocre
E toda relva não deitar-se mais ao prazer da morna lassidão,
A droga for o fim curativo melancólico da solidão da horda
Nada será igual a si mesmo nos limites que a realidade dará
Findo o amor mantido o real construir-se sem cessar, assim
Será a noite, a noite morta a eternidade
O lume das noites traiçoeiras.
Notas de passagens, rastros de folhas em branco do amor que cerrou.

Aquieto-me agora na mais profunda e encarnada das noites sem fim
Num ato de rememoração do sofrimento impulsivo e tão alheio
Todo ruído é morto, todo sentimento estranho até o perder da consciência
Será a noite, a noite morta a eternidade
O lume das noites traiçoeiras.
Aquece o inacabado, trama entre sagrado e profano o decepar do desejo
O irremediável fim do louco, louco e alucinado amor por ti.

Nenhum comentário: